Federação Paulista de Golfe

Notícias

  • Home >>
  • notícias
sexta-feira 29 de novembro de 2019

Ademir Mazon é eleito por aclamação para comandar a FPG de 2020 a 2022

Diretoria assume com o compromisso de uma gestão profissional, focada no crescimento do golfe

 

Ubirajara, Dontal, Mazon, Recchia e Bradaschia: unidos pelo crescimento do golfe. Foto: Ricardo Fonseca/F2 Comunicação

Ubirajara, Dontal, Mazon, Recchia e Bradaschia: unidos pelo crescimento do golfe. Foto: Ricardo Fonseca/F2 Comunicação

Ademir Mazon foi eleito por aclamação, no final da tarde desta quinta-feira, 28 de novembro, para assumir o comando da Federação Paulista de Golfe (FPG), entidade que representa mais da metade do golfe brasileiro, a partir de 1º de janeiro de 2020. A Assembleia Geral Ordinária (AGO) Eletiva foi realizada no auditório da FPG, anexo ao Honda Golf Center, ao lado do aeroporto do Congonhas, na capital paulista.

Ademir, o novo presidente, comandará a FPG ao lado dos vice-presidentes José Geraldo Dontal (Administrativo e Financeiro), Luiz Claudio Gomes Recchia (Técnico), Eduardo Bradaschia (Marketing), e Ubirajara Rodolpho Amorim Filho (Desenvolvimento e Novos Projetos). Ao mesmo tempo, foram eleitos os novos conselheiros a FPG, sendo que os membros efetivos do Conselho Fiscal são Ruy Cardoso de Almeida, Jair Carmona e Laercio Gigliolli.

Plano de trabalho – O plano de trabalho dos agora eleitos ressalta que a maior incumbência da FPG será difundir e ampliar a base do esporte, mantendo as importantes ações que as diretorias anteriores, mas direcionando o olhar para o amanhã, para que cada vez mais a FPG se expanda profissionalmente na gestão do golfe no estado de São Paulo e em seus clubes filiados de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Além de se focar nas atribuições da FPG, a nova diretoria irá, ao mesmo tempo, trabalhar para que o Honda Golf Center, seu centro esportivo com campo executivo de nove buracos, iluminando, seja cada vez mais o celeiro de formação de novos golfistas, como já acontece, investindo em melhorias contínuas para atrair novos golfistas e administrar o espaço de forma autossustentável.

Sapezal – Além disso, a FPG também assumiu a gestão do Sapezal Golfe Clube, em Indaiatuba (SP), primeiro campo oficial aberto do público, em área privada. Este espaço já permite desenvolver importantes ações socioesportivas como o Golfe Nota 10, para crianças de 6 a 12 anos, e o Golfe Chave Para o Futuro, que oferece cursos teóricos e práticos para jovens a partir de 16 anos, que serão um grande legado do golfe ao ajudar a formar novos profissionais. O Sapezal será ainda um polo de desenvolvimento de novas tecnologias, máquinas, equipamentos, gramas e manejos para que estas tecnologias sejam testadas e levadas aos nossos clubes filiados.

A nova diretoria da FPG também vai agir de forma continuada para reverter a queda do número de jogadores com handicap índex oficial, um fenômeno nacional e internacional. Entre as principais providências estará encontrar formas de, juntamente com os clubes, atrair novos golfistas e de federar os golfistas que hoje não têm handicap oficial, ações do interesse de toda a comunidade e onde todos só têm a ganhar.

Censo do Golfe – Entre as principais ações da nova diretoria será realizar um Censo do Golfe nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, que permita conhecer em detalhes o público alvo da entidade, e ampliar inciativas para atender as demandas dos clubes filiados e seus associados, inclusive prestando serviços de suporte técnico na manutenção dos campos, através de novas máquinas e equipamentos, além do suporte nas competições e na criação de novas competições.

Também estão entre as prioridade o golfe feminino, que mais do que nunca precisa de incentivo para se desenvolver, e o golfe juvenil, estimulando e ampliando os investimentos já feitos e aumentando sua base num trabalho junto aos clubes, sobretudo com as crianças de pouca idade. A FPG apresentará ainda um plano para que cada clube possa trabalhar com seus associados e investirá cada vez mais no Projeto Golfe Nota 10, que já revelou atletas de ponta e que tem como objetivo colocar um golfista oriundo de lá nos Jogos Olímpicos de 2028.

ABGS e Profissionais – O golfe pré-sênior e sênior ganhará nova dimensão a partir de 2020, em um trabalho conjunto da FPG com a Associação Brasileira de Golfe Sênior (ABGS), unindo esforços para otimizar recursos para torneios, competições, viagens e, principalmente, em benefícios para os clubes e jogadores. Tratativas neste sentido já vem sendo feitas junto ao futuro presidente da ABGS, Constantino Ajimasto Júnior, o Grego, e sua diretoria, que também assumem em janeiro, e estão em trabalho adiantado.

O golfe profissional também necessita urgentemente de um trabalho entre os clubes e a FPG, tendo em vista as grandes dificuldades que a categoria enfrenta. De imediato a FPG vai nomear um diretor de Golfe Profissional, conforme consta de seu Estatuto, para acompanhar este trabalho e sugerir ações que beneficiarão a todos. O golfe não cresce em lugar nenhum do mundo sem um golfe profissional forte.

Handicap – Maioria absoluta dos golfistas, os jogadores com handicap índex de 8,6 em diante são os que sustentam o golfe, exigindo investimentos cada vez maiores para dar retorno a essas categorias. Além do Interclubes por Handicap Índex, de grande sucesso, e do Campeonato Latinoamericano, onde a cada ano a FPG representa o Brasil com uma seleção de jogadores de todas as faixas de handicap, a FPG vai propor a criação de um torneio nacional por handicap, reunindo os melhores de cada federação, entre outros projetos de impacto imediato.

Grande parte dos esforços da nova diretoria será atuar na introdução no novo sistema de handicap mundial (WHS, na sigla em inglês), que a partir de 1º de janeiro de 2020 passa a valer para todos os países, sejam filiados à USGA ou ao R&A. O WHS vai mudar radicalmente a forma de calcular, aplicar e entender o handicap, mas é irreversível. O novo handicap máximo, que passa a ser de 54, e a exigência de apenas 54 buracos para que novos jogadores tenham seu primeiro handicap, vai ao encontro dos esforços da nova diretoria da FPG para ampliar significativamente a base de jogadores.